segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Muita vontade para pouco metro quadrado

O difícil de mobiliar e decorar uma casa é que a gente começa a prestar atenção às mil opções disponíveis e, consequentemente, tem vontade de sair comprando tudo que é lindo para a nossa casinha.

Bom, não tem $condição$ de fazer isso, né, gente. Quem tem uma casa pequena deve se lembrar sempre do freio “natural”: a falta de espaço, obviamente J Não tem jeito: espaço pequeno pede móveis e objetos compactos, e de preferência com mil e duas utilidades, pois se vão ocupar um espaço, por menor que seja, precisam ser MUITO úteis!

Quem tem uma casa maior pode enlouquecer mais na quantidade de coisas, mas também não é bacana ficar com a casa entulhada, sem espaço para circulação e “poluída” visualmente. Um visual clean é o que há.

Aos poucos, tenho conseguido adquirir os objetos de desejo para a minha decoração. Acabaram de chegar aqui em casa as três almofadas da Oppa Design que comprei. Estava ansiosa para que fossem entregues logo. Achei que deram uma super vida à salinha da minha casa (estou dividindo cada vez melhor o conjugado, para que se pareça cada vez mais com um quarto e sala... risos).

Mas a dica que dou é: compre aos poucos, deixe a casa ir tomando forma naturalmente, porque isso acontece! Quando você não sabe onde colocar alguma coisa, isso acaba ficando claro mais cedo ou mais tarde! Por outro lado, se você tentar de tudo e determinada peça não estiver encaixando de jeito nenhum no ambiente... talvez seja hora de desapegar e dar algum destino diferente a ela...!

Com relação ao título do post, bom... vocês viram: nada de sacanagem, coisas do tipo. Até porque, vamos combinar: para as vontades do amor, qualquer micro espaço funciona (RISOS).

Almofada da Oppa em cima do banco da iStick



Almofadas Oppa

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

... Porque manter a forma e se divertir é fundamental!

No dia 20 de outubro, um domingo, participei de uma corrida maravilhosa graças a um convite da Dani Germano - que é fundadora do blog And Dress Up.

A corrida aconteceu no Aterro do Flamengo, Rio de Janeiro. Sob um sol forte, cerca de 1.600 mulheres vestidas de rosa fizeram o percurso de 5km previsto pela organização. Ao mesmo tempo, corredoras em outros 13 países fizeram também um percurso de 5k em suas cidades!

Eu amo participar de corridas de rua: a energia é fantástica e elas servem como um estímulo ótimo para mantermos o pique e, consequentemente, a boa forma.

E, por falar em pique, é preciso muita energia para manter uma casa arrumada, limpa e organizada, hehe. Quando voltei da corrida, tomei um banho, uns bons copos d´água e peguei no batente doméstico! Quando cuido assim das tarefas da casa, me lembro como é importante nos mantermos bem para exercer qualquer tipo de atividade nesta vida. 

É bom também se ligar no seguinte: a coisa mais comum do mundo é começarmos a cozinhar quando moramos sozinhos. E aí.. é fazer um esforço extra para manter a boa forma senão já era!

A seguir, algumas fotos da corrida, yiradas pelo grande fotógrafo Guilherme Leporace (que é meu irmão, com muito orgulho!).





InglaTerra à vista!

Resolvi fazer um post de inspiração londrina porque amo aquela cidade, com a qual me identifico demais, e porque sempre vejo muitos móveis e objetos de decoração lindos que têm um pé lá na terra da Rainha. Para ver os itens nos sites onde os encontrei basta clicar nos títulos de cada um.
Quem tiver mais sugestões, escreve pro camilaeporace@gmail.com que eu ponho no post também!

Pufe Redondo

Achei este post num site no qual ainda não comprei, chamado TeckFlex, mas o pufe é lindo, chique, de couro, uma coisa. Deixaria qualquer casinha mais estilosa, sem dúvida! Vejam só,

Pufe Porta-Trecos

Este pufe dois-em-um serve para guardar coisinhas, e ainda como mais um assento para receber os amigos que chegam de surpresa :) Da Lili Wood.






Luminária dos Beatles

Esta luminária do quarteto não pode faltar na casa de quem ama os Fab Four! É de uma lojinha chamada Ih!Deias. Pelo nome você já vê que a loja é pura criatividade :D 



Bancos desmontáveis - Bandeira e Cabine telefônica

Estes dois bancos totalmente desmontáveis da iStick são demais, e é muito difícil optar por um só. Eu já postei aqui antes que tenho o da bandeira, mas estou agora paquerando o da cabine telefônica, porque sou apaixonada por ambos!Eles servem também como mesinha de canto, apoio para pés e o que mais você pensar. Ainda que não pareça, aguentam até 120kg! 





































Almofadas dos Beatles

Esta almofada é de uma loja no Mercado Livre que vende capas lindas por apenas R$ 19. Tem várias estampas incríveis. Estou para encomendar algumas para a minha casinha...


Edredon


A conhecida loja de roupa de cama, mesa e banho Zelo tem edredom com estampa da bandeira inglesa. Maravihoso.




All Star com estampa da bandeira da Inglaterra

Este All Star vai fazer a cabeça e os pés de quem ama a cultura britânica. À venda na Loja Virus. E por que ele faz parte de um pots sobre objetos de casa relacionados à Inglaterra?! Ah, sei lá. Porque ele é lindo, acho que esse já é um bom motivo, né? :D


quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Rock an Roll is in The House


Amanhã tem show do Aerosmith no Rio de Janeiro e eu VOU, é claro!
E o que isso tem a ver com um blog sobre casa?

No meu caso, tem um pouco a ver. É que, durante boa parte da minha adolescência, morou no meu quarto (na casa dos meus pais) um display de cartolina quase em tamanho real do Joe Perry, guitarrista da banda.

Cheguei a pensar em não ir ao show porque quem está montando uma casa ou fez isso há pouco tempo não tem grana para mais nada, mas... certamente se deixasse de ir me arrependeria! E agora, com o ingresso na mão, estou contando as horas para o show começar.


quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Apê: dicas para conseguir um

São muitos os pré-requisitos quando se trata de arranjar um canto para chamar de nosso! Não é nada fácil encontrar um apartamentinho decente para morar, que esteja dentro do preço que pretendemos pagar e localizado numa área que gostaríamos de habitar.

O mais importante, na hora de fazer a pesquisa, é o seguinte:

1- Saber até quanto pode pagar;
2- Ter paciência;
3- Ter persistência;
4- Ser rápido e sagaz.

O item UM é bastante claro e óbvio. Se você não tem ideia da fatia do seu salário que pode ser destinada ao aluguel e ao condomínio, não pode (literalmente) sair do lugar. Você precisa sentar, fazer cálculos, pensar em quanto deve gastar com outras despesas mensais como supermercado, conta de luz, academia de ginástica, combustível para o seu carro, comida para o seu cãozinho, aulas de tae kwen do, enfim, o que mais for importante para você, e fazer uma planilha com tudo isso. Depois, se morar sozinho for o que você mais quer na vida e não estiver cabendo no seu bolso junto a aulas de karatê ou o que seja, você pode até pensar em cortar algumas despesas em nome do objetivo central.


O item DOIS é meio que auto-explicativo. Paciência aé uma virtude e, bem, nesse caso é um dos itens que não podemos deixar de fora da bagagem, porque procurar apê é, sinto dizer, uma tarefa chatinha. Às vezes a gente acha um lugar até legal, mas cujo banheiro é todo quebrado, e como não há condição de gastar rios com reformas de aptos que nem são da gente... são imediatamente descartados. Outras vezes, é uma torneira que não funciona, uma infiltração insistente, ou o apartamento tem espaço mas o prédio é péssimo, não tem porteiro 24h, enfim! Faça uma lista do que você considera indispensável, mas esteja disposto a cortar alguns itens à medida que fizer suas visitas. Vai por mim! E tenha paciência...

O item TRÊS é o melhor amigo do item DOIS. Porque, né, gente, quem não persiste.. desiste, E quem desiste, não acha apê. Malhe bem as pernas, beba água, acorde cedo para ler os classificados de imóveis antes de todo mundo e vá aos locais para ver as possibilidades. Se não gostar, ande até a próxima parada. Pergunte aos porteiros de prédios em ruas de que você gosta se há apês vazios por lá. Peça os contatos dos proprietários para eles. Às vezes, as chaves já estão até na portaria, e você já pode subir para visitar na hora mesmo.

O item QUATRO é talvez o que a gente aprenda mais na marra: ser rápido é fundamental para conseguir um canto. É que tem sempre MUITA gente atrás de um apê, e para isso você tem não só que acordar cedo, consultar o jornal, ir correndo ver o que está anunciado naquele dia, como já levar os seus documentos para entregar rapidinho ao proprietário ou à imobiliária que estiver à frente da negociação. Com isso, você fica na frente na fila, e suas chances de ser inquilino aumentam demais. Se o apê pedir fiador para o aluguel, quanto melhor for o seu melhores as suas chances de ser selecionado.








terça-feira, 15 de outubro de 2013

Sobre fazer companhia a si mesmo

Mudei-me para minha modesta casinha em junho deste ano, às vésperas do meu aniversário de 31 anos. Até o momento, posso dizer que morar sozinha é tudo que eu esperava. E, ao mesmo tempo, não é.

Uma casa traz - e isso é claro que eu já esperava - responsabilidades e "cargos administrativos", todos assumidos, neste caso, por uma única pessoa. Entre as incumbências estão manter a casa minimamente limpa e arrumada, a geladeira razoavelmente cheia, a louça lavada, o banheiro limpo, as contas pagas. Até aí, nenhuma surpresa, exceto pelos extras. É fundamental ter uma grana guardada para o que pinta sem a gente planejar. Um bombeiro que precisa ser chamado quando a descarga do único banheiro pifa, por exemplo.

Uma casa traz também alegrias - e essas eu já imaginava - que vão de poder convidar os amigos qualquer dia até ter o direito de desabar sozinho, no meio da sala, após encher a cara e dançar de forma esquizofrênica, sem ninguém para assistir (e nem para julgar ou mandar a gente parar). É um espaço para se fazer, basicamente, o que se quer, desde que não acabe com a vida dos vizinhos (e de preferência também não com a de si próprio, pois saber se cuidar também faz parte).

Da lista de obrigações listadas no parágrafo dois deste texto, pagar o aluguel e as contas é o único item que não se pode deixar de fazer, deliberadamente. A geladeira vazia e a casa suja são de inteira responsabilidade do inquilino, e quem habita um ninho mais ou menos decente é o mesmo ser que o bagunça ou se dá ao trabalho de mantê-lo apresentável.

O que talvez eu não soubesse, ou não tivesse ainda muita noção, é que casa vazia também dá solidão. Se soa dramático para você, é porque é um pouco dramático mesmo. Para quem está acostumado a casa cheia, que recebe seus moradores todos os dias com muita falação e alegria, está sempre aberta aos parentes mais agitados nas reuniões de família e conta com aquela comida que cheira por todos os cômodos enquanto é preparada, morar só pode ser bem difícil em certos momentos.

Para que dê certo, é fundamental saber conviver com si próprio. Ter ouvidos apurados para ouvir o silêncio, e não apenas suportá-lo. Aprender a aproveitar a convivência consigo mesmo. Lembrar de ligar um som ou assistir a um filme bacana. Apreciar um bom livro. Aventurar-se a um novo hobby como escrever, cozinhar, desenhar, pregar botões, plantar bananeira, ou o que quer que envolva apenas você mesmo e a sua disposição/vontade/intuição.

Ainda tenho dificuldade para conviver comigo mesma apenas, e me sinto às vezes perdida em casa, mesmo morando num espaço de 28 metros quadrados. Já limpei paredes por não ter "nada para fazer", após olhá-las fixamente por um tempo. Já cozinhei pratos que nem ia comer, e depois tive que congelar tudo. Já chorei porque me apareceu uma barata e eu já tinha dedetizado a casa e eu não sabia como matar aquele bicho sozinha no meio da madrugada (também fiquei me perguntando como é que ela tinha sobrevivido ao veneno da infalível Insetisan). Já ouvi todas as músicas do meu iPod. Leio um livro a cada três dias.

E nada, nada disso poderia ser dispensado.

Quero casar. Quero morar junto. Quero ter filhos. Quero uma casa cheinha, agitada e falante como a casa em que cresci. Quero até netos. Festas. Natais lotados. Ovos de Páscoa pela casa. Bolos que matam a gente de tão cheirosos. Quero ter uma família que eu eu que construí. Mas tenho consciência de que esta etapa pela qual estou passando, que me ensina a cada dia a conviver alegre e tranquilamente comigo mesma, a deixar de ser menina e virar mulher de vez, a enfrentar a vida com menos insegurança, é fundamental para que a etapa seguinte chegue bem e na hora certa.

Que morar sozinha seja um estágio do qual eu sempre me lembre com alegria, e me leve a ser uma mãe, filha, mulher, amiga e até uma profissional muito melhor (mas que isso não leve uma eternidade para acontecer, que ninguém é de ferro... e sou bem ansiosa!).