quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Para limpar a casa

Uma vantagem da casa pequena, e ocupada por uma pessoa só, é que essa pessoinha não terá muito trabalho para mantê-la limpa e arrumada.

Eu até achava que eu ia ficar de saco cheio de ter que arrumar, varrer, passar pano etc etc na casa toda hora, e sozinha. Mas... eis que me surpreendi com os prazeres que essas atividades trazem. Para quem é ansioso como eu, funciona como uma espécie de remédio. É que são tarefas que exigem dedicação, tempo, paciência - além de um certo preparo físico...

Bom, mesmo com essa empolgação toda, para ajudar nas tarefas domésticas, indico fortemente lançar mão de um aspirador de pó; uma pá de lixo comprida, que não exige que nos curvemos para recolher o lixo; panos e esponjas de vários tipos e tamanhos.

O primeiro item da lista, o aspirador, vai ser meu foco aqui. Pesquisei bastante até achar um que fosse leve, prático e tivesse um bom preço. Queria um que fosse vertical, e não tivesse aquele motor e aquela caixa grandes, que a gente tem que arrastar junto quando faz a limpeza. Veja alguns modelos que pesquisei e as vantagens e desvantagens que encontrei em alguns deles.

Electrolux Ergorapido
Este aspirador de pó e água da Electrolux foi o que eu vi primeiro, e o que eu queria mais. Ele é comprido e compacto, e não tem fio. Mas uma coisa que me preocupou foi justamente isso: a bateria, carregada, dura cerca de dez minutos. Após esse tempo, é preciso recarregá-la. Achei isso estranho, afinal, eu não limpo minha casa em dez minutos, por menor que ela seja. Acabei concluindo que esse aspirador parece ser mais para limpar sujeiras pontuais - por exemplo, farelos de pão espalhados pelo chão. O preço varia entre 260 e 360 reais, nas lojas online mais conhecidas.

Electrolux Energica

Este outro também é da Electrolux. É bonito, mais robusto, tem fio,parece resistente e foi muito bem recomendado por uma amiga minha. Eu teria comprado esse, não fosse peço preço: cerca de 400 dinheirinhos.

Philco Easy Clean
Não sei muito sobre esse aspirador da Philco, mas se trata de uma boa marca, acredito que seja bom. Quando comprei o meu, ele estava em falta em tudo que era loja da internet. É bem "high-tech" e parece ser prático; tem fio de cinco metros de comprimento.

Britania Dust Off
Este foi o que acabei comprando: um Britânia bem compacto. Ele tem fio, tem um cabo com altura suficiente para não termos que ficar muito curvados ao limpar a casa, cordão elétrico de 4,5 metros e vem com pecinhas para limpar cantos. É potente para o tamanho que tem, e talvez um pouco mais barulhento que o normal por causa disso, mas nada de mais (já me acostumei com o ruído). Quando você termina a limpeza, basta abrir o corpo dele e sacudir a sujeira num saco de lixo. Se precisar, pode lavá-lo com água também. A relação custo-benefício não podia ser melhor, na minha opinião: ele pode ser encontrado em várias lojas por preços em torno de cem reais. Eu guardo ele apoiado na parede, assim não ocupa espaço nenhum e pode ficar sempre à mão.













terça-feira, 27 de agosto de 2013

O maravilhoso mundo dos móveis retráteis, portáteis, dobráveis...

Nada grande tem vez num conjugado. Da poltrona ao aspirador de pó, passando pelo microondas e até pela geladeira, tudo tem que ser pensado quando vamos morar numa "casinha", literalmente... afinal, muita coisa parece bacana, até lembrarmos que se levá-las para casa não conseguiremos mais andar, ou convidar amigos para confratenizar, beber, celebrar a vida etc!

Diante da necessidade de espaço que se apresenta quando os metros quadrados são poucos, me encantei com os móveis de dobrar e de montar desde antes de me mudar - até porque sabia que, no que dependesse dos preços absurdos do Rio de Janeiro, seria num lugar bem pequeno que eu iria morar.

Antes de vir para este apartamento, que foi um achadinho, eu pensei em ir para um que era beeeem menorzinho, acho que devia ter uns 20m2 mas era muito aconchegante. Por incrível que pareça, visitei vários outros, alguns até com 40m2, mas me encantei com aquele, por ser mimoso e bem localizado, e fiquei entre ele e este que habito hoje. Isso me lembra os duros dias que passei caminhando com jornal na mão, atrás de um lugar ao sol - e à chuva, ao vento, enfiim. Para procurar apartamento, não pode ter tempo ruim!




Se eu tivesse ido morar naquele apê, cuja fotos estão aí em cima, seria bem difícil eu ter uma cama de casal, como eu gostaria. Já estava pesquisando camas dobráveis como essa da foto, ou viajando em camas elevadas, em profusão no Pinterest e em sites de decoração para pequenos ambientes, que deixam espaço embaixo para muitas outras coisas...


Mas, mesmo com um pouco mais de espaço aqui no lugarzinho fofo que arrumei, não deixo de me encantar com mesas que podem ser abertas somente quando precisamos delas, como essa, por exemplo, que até já estava no apê quando cheguei e estou usando direto.



















Ou com bancos com mil e uma utilidades, como esse da foto. Ele é da  I-Stick,que tem uns móveis e objetos super-ultra-criativos e liiindos de morrer. No meu caso, não foi difícil escolher um com a bandeira da Inglaterra, pois amo aquela terra. Ele já vem envelhecido, com um toque rústico. Muito, mas muito bonito.


E, não sei se vc se deu conta, mas... ele demonta TODO! Pode ser guardado em qualquer lugar...!! Na verdade, ele vem desmontado, em cinco partes: as laterais e o topo. Junto com as partes, vêm vários elásticos, e é com eles que prendemos uma parte na outra. Super fácil, super criativo. Fiquei encantada. Agora, meu objeto de desejo é essa kombi, que vai me ajudar a guardar a maquiagem que anda solta pela casa e ainda decorar brilhantemente meu quarto, com um toque hippie que é a minha cara. E não, não estou ganhando dinheiro para fazer merchandising da loja! Faço porque curti mesmo.



E fiquem tranquilos porque ainda vou explorar muito o tema "aproveitamento de espaços" aqui... afinal, é tudo que tenho procurado fazer :)









"Casacor" não funciona para quem tem pouca grana...

Sabe aquelas revistas que têm manchetes quase sensacionalistas sobre como decorar um apartamento de 30 metros quadrados para que ele pareça ter 60? Ou aquelas reportagens que misturam dezenas de cores num mesmo ambiente bem pequeno, jurando que dá certo? Isso é muito bom para: 1) quem está comprando ou já tem um apartamento e tem grana para reformá-lo e decorá-lo; 2) acho que para mais ninguém. Se você não estiver no caso um, acho difícil essas revistas servirem para você.

É claro, de inspiração elas sempre podem servir. Agora, pense bem: pode dar certo misturar várias cores num ambiente mínimo, sendo que ele abrigará vida e, consequentemente, uma pequena bagunça, por mais organizado que o morador seja? É complicado. Claro, podemos ser criativos, jogar com cores e objetis bacanas, mas a simplicidade  e a praticidade acabam vencendo, porque ninguém aguenta viver no meio de informação demais por muito tempo...

Além disso, assim que a casa começa a tomar forma dá uma ansiedade danada de arrumá-la, de tirar as coisas do meio do caminho, de guardar tudo em seu devido lugar - mesmo que ele ainda nem exista.

Posso dizer por mim: era a maior bagunceira do universo na casa dos meus pais, porém desde que mudei não suporto ver louça na pia, cama desarrumada, sapato espalhado pela casa ou toalha fora do banheiro! Mas não acho que tenha acontecido um milagre ou que de desleixada eu tenha passado a neurótica. É que casinha pequena, se bagunçada, vira um mar - ou um laguinho - desconexo, fica tudo de cabeça para o ar, a gente não se entende na zona que fica, não consegue achar nada! E se chega uma visita repentina, como é que faz...?

Para manter a conta bancária mais ou menos em dia e a casa razoavelmente arrumada, um segredo é ir aos poucos: não comprar nada por ansiedade, sem pesquisar ou pedir dicas a amigos e conhecidos.


Onde colocar cada coisa?

Quando escolhi os móveis, tive um mente os seguintes pontos: comprar itens que coubessem em vários cantos diferentes da casa, se eu quisesse mudá-los de lugar; que não fossem maiores do que as necessidades que atenderiam (nem muito menores); que não fossem muito caros.

Dei uma pesquisada boa em escrivaninhas e mesas que pudessem servir como uma, já que, como disse em outro post, mesas são sagradas para mim - especialmente a mesa em que escrevo, trabalho, leio etc. Acabei investindo mais grana na escrivaninha do que imaginava, mas fiquei bem satisfeita. A escolha foi por um modelo da Tok Stok que imita escrivaninhas antigas, pintada de branco mas que mantém algumas marcas naturais da madeira, o que achei interessante e bonito.

Essa cadeira branca que está junto com a escrivaninha na foto eu comprei no Mercado Livre, numa loja de São Paulo que entrega em todo o Brasil. A mesma cadeira - ou uma muito parecida - estava custando 300 reais na TokStok, ou quase isso. Consegui essa por cem reais, divididos em suaves prestações. Achei que a cadeira podia ser um tico mais confortável, mas valeu demais a pena, pois combina perfeitamente com a mesinha, na minha opinião, e as duas juntas formam um cantinho muito fofo para os meus momentos de concentração.



Quando comprei a escrivaninha, eu já sabia que a colocaria onde ela está, porque o apartamento é bem pequeno (tem 28m2) e eu tratei de tirar as medidas dos cantinhos todos para não comprar móveis-elefantes (risos). A largura dela é exatamente a largura dessa cortina cor de madeira que vocês veem na foto, que é usada como divisória no apartamento, gerando dois ambientes que cada vez eu diferencio cada vez mais - à medida que vou arrumando.

Apesar de eu ter programado essa compra, calculando a entrada da escrivaninha nos mínimos detalhes, é impressionante notar como as coisas vão tomando seus lugares naturalmente na casa. Muitas vezes eu não sei onde colocar algo e, quando vejo, ele trata de arrumar um espacinho super adequado para existir, e ali acaba ficando.

Por exemplo, a poltrona. Quando a comprei, as pessoas que vêm aqui em casa já tinham se acostumado a sentar no chão, naquele canto que hoje ela ocupa. E o microondas, eu coloquei em cima da geladeira quando chegou e até tentei arrumar outro lugar para ele, mas não adianta: é lá que ele tem que ficar mesmo!





O que comprar primeiro?

Quando comecei a montar a casa, queria logo comprar enfeites, relógios de parede, colchas, almofadas, abajures, tapetes e por aí vai. Mas, pense: como começar por essas coisas, menores, se as maiores - os móveis! - nem estavam decididas ainda?

A colcha para a cama de casal eu não resisti. Foi uma das primeiras coisas que comprei, pela internet, numa loja que adorei - entrega super rápido e vem tudo embaladinho direitinho, além de ter bom preço - chamada Vida & Cor. É essa aí da foto, que agora serve como papel de parede do meu celular, rs. Ela imita "patchwork", uma das minhas paixões no quesito decoração.

Depois da colcha, que comprei antes mesmo de me mudar, começaram a aparecer as necessidades básicas, aquelas sem a qual a gente não mora no lugar. Por exemplo, copos, pratos, talheres, panelas, tesoura, utensílios de cozinha em geral (não demoraria muito, eiu descobriria que na verdade o mais importante deles era o espremedor de alho, pois quando comecei a fazer arroz ele virou meu melhor amigo).

Na primeira semana, eu já tinha muita coisa, mas não tinha uma mesa para sentar para comer, escrever etc etc. E quase enlouqueci por isso (mesa para mim é mais importante que cama, que TV, que microondas! Só não mais que a geladeira, que aliás chegou junto com os primeiros itens da mudança). Por isso, a primeira providência deixou de ser comprar objetos de decoração para investir em alguns móveis.